Seguidores

CULTURA E MEIO AMBIENTE SAQUAREMA

    PASSADO, PRESENTE, FUTURO
CULTURA E MEIO AMBIENTE EM SAQUAREMA
           Um espaço para divulgar, Arte, Artistas , Eventos Culturais .. Pesquisar e postar idéias alternativas para que a nossa Cidade tenha um desenvolvimento sustentável e Consciente . 
          

Navegando pela história de Saquarema

Texto, de josé Conde da Rocha , alma carioca.

Em 1531 o navegador português Martim Afonso de Souza lançou âncoras no costão, em frente ao antigo morro do sambaqui, hoje conhecido como morro do Canto, situado próximo a Barra Nova. Nesse local habitavam índios Tamoios, chefiados pelo líder Sapuguaçú, que em troca de bugingangas, abasteceu as naus Martinianas de lenha, água e frutos nativos. Os conquistadores supridos em suas necessidades, abandonaram as terras de "Socó-rema", denominação indígena em virtude dos bandos de aves pernautas que habitavam a zona lacustre e que eram conhecidas pelo nome de "Socós".

Em 1594 Saquarema passou a receber os benefícios da civilização, com a chegada dos padres da Ordem do Carmo, que pleitearam e obtiveram, por doação do Rei de Portugal, algumas sesmarias localizadas na região. No lugar de hoje denominado Carmo, construíram o convento de Santo Alberto, cuja a imagem foi levada, como empréstimo, pela Cúria Metropolitana de Niterói, e jamais devolvida a Igreja de Nossa Senhora de Nazareth.

  
Elevada a categoria de município, em 1841, foi curta a sua existência, tendo por decreto, retornado a condição de "Freguesia Vila de Araruama", assinado em 1859. Feridos em seus brios, os habitantes de Saquarema protestaram junto aos poderes competentes e conseguiram a sua reintegração a antiga categoria, em 1860. A reintegração do município verificou-se em 29 de janeiro de 1861, entre grandes manifestações de júbilo, por parte dos moradores. Próspera a agricultura em Saquarema, pela mão-de-obra do elemento negro escravizado. Declinou tão cedo começaram a surtir efeito as determinações abolicionistas contidas na Lei Áurea, promulgada em 1888.Já no período republicano, em 1890, Saquarema atingiu sua completa maturidade ao lhe ser conferida a categoria de cidade.

Hoje, o município com novas vias de comunicação abertas em seu território, tornou-se ponto turístico, dadas as belezas naturais de suas praias, serras, matas, e lagoas, e em cujas terras cochila inexplorado um potencial sem precedentes, cercado de recursos naturais eternos, se preservados, dentro de um meio ambiente que será tão exuberante se cultivada e próspera for a cultura de seu povo.

postado por Telma Cavalcanti.




Ecoturismo - Saquarema

texto e fotos , Lucas Conejero
guia do litoral .com.br





Cachoeiras da Serra do Roncador

Um local intocado e mágico, uma trilha em meio às montanhas e seis cachoeiras diferentes, uma mais bonita que a outra. As trilhas não são curtas e a dificuldade é considerada mediana, portanto, é necessária e indispensável à presença de um guia local. Vale lembrar que é possível chegar de carro, por uma estrada de terra, até bem próximo da primeira cachoeira.



Trilha da Lagoa Vermelha

Com uma vegetação variada em meio à restinga, a trilha de aproximadamente duas horas é feita em mata virgem. Termina na salina, onde é possível apreciar a paisagem da lagoa de Araruama.



Trilha do Goonies

Na região da estrada Latino Melo encontra-se um dos trechos mais belos da região. A trilha feita em Mata Atlântica virgem é incrível. Uma variedade imensa de flores e plantas silvestres, pássaros e animais. É um estúdio natural para fotógrafos e cinegrafistas profissionais e amadores.



Gruta "Nossa Senhora de Lourdes"

Um local muito interessante e procurado pela incrível semelhança com a "gruta original" de Nossa Senhora de Lourdes, na França. Um padre em 1947, impressionado com a semelhança dos locais mandou vir de Lourdes uma imagem da Santa Bernadete e de Nossa Senhora para residir na gruta.

postado por Telma Cavalcanti.

 Sambaqui.  historia e preservação.



O Sambaqui da Manitiba 1 é o único que restou na Manitiba, pois o Manitiba 2 já foi destruído. Situado próximo da Avenida Litorânea, recém asfaltada, a área do Sambaqui da Manitiba 1 tornou-se um objeto de desejo de invasores locais e forasteiros. Os lotes que formam o Sambaqui Manitiba 1 são o 12, 13, 14, 26, 27 e 28, do Loteamento Manitiba, no final de Barra Nova, próximo do Rio Salgado, no limite com Jaconé. Porém, a Rua D, na face norte, virada para a Lagoa de Saquarema, na junção dos lotes 26, 27 e 28, também deverá ser preservada por se situar ao lado do Sambaqui da Manitiba 1. Toda esta área está permanentemente ameaçada de invasão e vem sofrendo nos últimos anos a ação de vândalos que queimam a mata de restinga, abatem as árvores e destroem a cerca.Segundo a antropóloga Filomena Crancio, responsável pelos sambaquis de Saquarema, deveria ser feita uma ação urgente, imediata, para resgatar o Sambaqui da Manintiba 1, um dos 4 que restaram dos 24 sambaquis descobertos anos atrás pela antropóloga Lina Kneipp, falecida em 2002. Desde esta ocasião, Filomena Crancio, do Museu Nacional, da UFRJ, luta pela preservação dos sambaquis, é responsável pela Praça do Sambaqui da Beirada e representa os interesses da arqueologia local junto aos Poderes Públicos, inclusive nas audiências oficiais que reúnem o IPHAN (Instituto do Patrimônio Histórico, Artístico Nacional), a Prefeitura Municipal e o Ministério Público.

A preservação possível


A prefeita Franciane Motta enviou 100 varas de eucaliptos para reforma da cerca da Praça do Sambaqui da Beirada, em Barra Nova. O secretário municipal de meio ambiente, Gilmar Magalhães, também vem fiscalizando o Sambaqui da Manitiba 1, inclusive com força policial, tudo isto para preservar o que restou da nossa pré-história.

Matéria publicada na edição de janeiro de 2010
do jornal o Saquá (edição 116)

postado por Telma Cavalcanti.




O que é sambaquis? E sua provável origem?


Sambaquis são montes compostos de moluscos (de origem marinha, terrestre ou de água salobra), esqueletos de seres pré-históricos, ossos humanos, conchas e utensílios feitos de pedra ou ossos. É resultado de ações humanas, ou seja, são montes artificiais, com dimensões e formas variadas.

A palavra “sambaquis” tem origem Tupi, e é a mistura das palavras tamba (conchas) e ki (amontoado).

Os sambaquis são locais muito antigos, onde os homens comiam moluscos em grandes grupos. O formato dos sambaquis vão dos cônicos aos semi-esféricos. Dependo da região, são conhecidos por casqueiros, concheiros ou berbigueiros.

O primeiro sambaqui estudado está na Dinamarca. Alguns sambaquis em países Europeus e no norte da África foram datados como de 4000 a 2000 a.C.

No Brasil, existem sambaquis em vários pontos do litoral brasileiro, sendo que em Santa Catarina estão os maiores sambaquis do mundo. Nesse estado, existem sambaquis em todo o litoral, que chegam a ter 25 metros de altura e centenas de metros de extensão. Tem idade aproximada de 5.000 anos. Em nosso país existem sambaquis inclusive no baixo Amazonas e no Xingu.

Dentre os utensílios encontrados nos sambaquis brasileiros, muitos são feitos em rocha, como os quebra-cocos, facas, machados de diabásio semipolido, raspadores e pontas. Os anzóis, furadores, pontas de flechas e arpões encontrados são feitos de ossos.

As explicações possíveis quanto à finalidade dos sambaquis são diversas. Para alguns pesquisadores, eles seriam depósitos dos restos de alimentos, de carcaças e ossadas de animais, servindo também, não se sabe por que, como abrigo de sepulturas de humanos. Não eram utilizados como moradias, enfim.

Existem pesquisadores que defendem que os sambaquis serviam como acampamentos temporários.

Para outros pesquisadores, os sambaquis seriam habitações temporárias, o que explicaria a presença de sepulturas. Servia também, nessa versão, como depósito de materiais.

Apesar de serem patrimônio da União, verdadeiros crimes ambientais destruiram parte dos sambaquis brasileiros, como construções irregulares em áreas protegidas e a extração de cal por industrias inescrupulosas.
Fonte(s):
http://www.infoescola.com/arqueologia/sa…

postado por Telma Cavalcanti.






































































































Nenhum comentário: